Quarta-feira, 11 de Julho de 2007

Não queremos maldições

.
Pior do que ter de travar parando o carro numa situação daquelas imparáveis por causa de um indivíduo pedonal que decide iniciar o atravessanço na estrada e que, já com o corpo todo na estrada, com a cabeça virada no nosso sentido, mas os olhos no sentido do carro de trás, também parado, acena três vezes (portanto, sentido dentro-fora) gesticulando um "avança, avança, vá, vá, que eu deixo e até te faço este favor, olha que o gajo de trás tá parado, e porque eu sou muita esperto e expedito e panasca e consigo fazer várias coisas ao mesmo tempo" será a maldição porvindoura de quebrar a corrente dos livros, desta feita chegada até mim pela Madame Basturlec (isto são os céus a darem-me a última oportunidade para permanecer feliz, está visto). Portanto, não a vou quebrar, credo, e passá-la-ei, claro. E se pudesse passava a tudo e todos, mas há regras.

Vamos, então. Entre os últimos cinco livros que li e que estou a ler encontram-se os seguintes:

- a antologia dos Contos do Machado de Assis, volume I (foi comigo para as Caraíbas em Dezembro passado e há-de andar sempre comigo);

- a antologia de Contos do Machado de Assis, volume II (foi comigo para as Caraíbas em Dezembro passado e há-de andar sempre comigo);

- O Ano do Pensamento Mágico, da Joan Didion (tem ido comigo no metro);

- A Ilíada, de Homero (não tem passado da mesa de cabeceira);

- Lisboa no Ano Três Mil, de Cândido de Figueiredo (edição provisória e única, de 1892. Um livro que li rápido demais. É excelentemente engraçado de tão hermeticamente esquizóide. Estamos a falar de um homem que fez um dicionário, atenção.)

Ora então vou passar esta forte corrente a ter ser de realizada sob pena de maldição ao meu irmão. Estou a brincar; tu és flicker das fotografias, não podes. Quero passar esta forte corrente à Fá-Fá (beijinho, minha querida! e de atalaia...), ao Samuel Úria (vá lá, men; olha a maldição...), ao Gonca (vá lá, men), à nha myself (não é fixe, isto?), ao Pastel de Nata (vá lá, men; olha que isto nunca se sabe) e ao Miguel. Estou a brincar; tu não podes, Miguel, porque só podem ser cinco. Senão, a maldição...
publicado pela batukada às 23:40
link do post
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

E-mail

batukada_ms@hotmail.com

Gira-discos 'sebem

Aprecie o silêncio

Arquivos

Maio 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

blogs SAPO