Quarta-feira, 28 de Junho de 2006

Arial, 10.

.
De há dois anos para cá, ando a atestar a descoberta que efectuei, também há dois anos, de que a disposição não anda de mãos dadas com a motivação. Isto pode parecer uma coisa óbvia, de caras, mas não é. Não andava eu dois anos a explorar esta premissa se ela não fosse, com efeito, pá, pouco óbvia. Agora olha-se para esta observação e comenta-se “claro que sim, claro que sim”, mas, se não fosse eu, nunca ninguém tinha pensado nisto antes. Uma pessoa com disposição pode não ter motivação; uma pessoa altamente motivada pode não ter disposição. Atentem nisto, que foi a coisa mais clarividente que descobri nos últimos tempos. De nada, de nada.

Ora, fazer uma tese é uma pêra doce absoluta, e não estou a ironizar. Todas as fases – desde o dia em que se começa por desperdiçar dinheiro com a aquisição do livro “Como se faz uma tese” do Umberto Eco, até à recolha do objecto de estudo, passando pela respectiva análise e fazendo uma perninha na organização do floreado que se vai pôr à volta daquilo (as introduções, os enquadramentos teóricos, a explicação da metodologia utilizada, as conclusões e os agradecimentos) – são simples de se imaginarem e simples de se conceberem. É preciso é tempo (pá, tempo, sobretudo) e disposição para a coisa. Não é preciso motivação. Juro. A motivação ficou lá atrás, quando se entrou na faculdade, talvez. Minto, a motivação ficou nas férias de Verão de 1993, passadas na casa da avó. Bom, depois – com o tal tempo e a tal disposição – a pessoa vai andando, arrastada, de olhos fechados, absolutamente tapada, e quando dá por ela está a recusar uma ida a Madrid para ver os Interpol porque tem de fazer pelo menos o índice da coisa para poder dormir de noite, já que tem de entregar a coisa um ano depois, porque afinal, e tal, os adiamentos não sei quê. A coisa feita, por exemplo, é que está quieto.

Bom, bom, bom, bom. Há coisas que têm, infelizmente, de ser desabafadas e a verdade é que eu cheguei à fase da escolha das fontes. Seja cega. Isto é uma coisa natural: a pessoa acorda todos os dias com disposições diferentes e a mim calhou-me, anteontem, a da escolha das fontes. Atentar em que as fases não têm uma ordem natural ou lógica. Ou seja, estar na fase das fontes não significa, por exemplo, que se tenha escrito já o que quer que seja. Bom, mas andei por aí a experimentar e, cá está o objectivo desta gigajoga toda, descobri mais uma coisa bastante interessante que não resisto a partilhar: o tipo de letra mais isento, mais neutro, clarinho, bonito e que mais equilibra a honestidade com a pedantice própria da pessoa que escreve teses é o Arial, tamanho 10. E esta merda, sim, é que dava uma tese. Viva o Ricardo Carvalho.
publicado pela batukada às 11:45
link
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

E-mail

batukada_ms@hotmail.com

Gira-discos 'sebem

Aprecie o silêncio

Arquivos

Maio 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

blogs SAPO