Quinta-feira, 29 de Junho de 2006

Ideal, ideal, é ser-se como eu: uma pessoa absolutamente normal

.
Bom, pois após a referida longa conversa (foi uma longa conversa absolutamente introspectiva), eu fiz um trabalho de campo que, ainda que não destrua por completo a teoria anteriormente teorizada por nós, vai deixar o totó um bocadinho em maus lençóis, ao contrário do que tinha sucedido.

De acordo com os dados que recolhi através da realização de um inquérito* a uma amostra exaustiva e significativa, constituída por dois totós e dois cromos, na faixa etária dos 27-34, da classe média-alta, todos letrados ao mais alto nível, chega-se à conclusão de seguida indicada: também o totó deve ser associado a uma coisa má.

Repare-se: o totó está associado às classes média-baixa, média-média, média-alta, alta e bastante alta e pertence, normalmente, a grupos intelectuais ou não. De maneira que é uma pessoa com normal acesso à informação, educada ou não (normalmente, atenção), mais letrada ou não (volto a repetir: normalmente, por amor de Deus; já me estão a enervar), mais socializada e socializável ou não. Ora, o que é que sucede? Sucede que o totó tem, portanto, poucas desculpas para o ser.

Examinemos agora o cromo, que, sim senhores, cola. O cromo, de acordo com os dados que recolhi através da realização de um inquérito a uma amostra exaustiva e significativa, constituída por dois totós e dois cromos, na faixa etária dos 27-28, da classe média-alta, todos letrados ao mais alto nível, está associado às classes média-baixa, média-média, média-alta, alta e bastante alta e pertence, normalmente, a grupos intelectuais ou não. De maneira que é uma pessoa com normal acesso à informação, educada ou não, mais letrada ou não, mais socializada e socializável ou não. Ora, o que é que sucede? Sucede que o cromo tem, portanto, poucas desculpas para o ser.

Há apenas um aspecto que os distingue e tem a ver com o público de fora: o espaço temporal em que se descobre que um é um e que outro é outro. O totó só o é a posteriori, enquanto o cromo é-o já a priori. Portanto, só se descobre um totó muito depois da primeira observação, porque o totó não passa de um… dissimulado, um sonso. Peço desculpa, mas é a mais pura das verdades e atesta-o o trabalho de campo efectuado. Onde é que pode haver boa-vontade ou mesmo bondade na dissimulação? Só se esta tiver objectivos, digamos, sexuais, mais nada, porque passa a ser uma coisa partilhada, e partilha é sempre boa. O totó não passa de uma pessoa que surpreende… pela negativa. Ou fala muito, ou fala pouco, ou não sei quê, ou é um atado, ou antipático, ou manda piadolas pertencentes ao cromo, enfim. Gente que tinha tudo para ser normal, mas não: falsos, patéticos, constrangedores, com problemas de dicção ou de tom, os totós não têm limites e ninguém está livre de os aturar. Porque andam por aí camuflados. Ora, indecente e muito pouco honesto.

O cromo não. Do cromo já se espera, há muito tempo, a sua cromice inata, desculpem lá. Não engana ninguém e só se enganam dois tipos de indivíduo: o que quer ser enganado ou o totó (estás a ver a cena?). Depois há a criatividade da coisa: cada cromo tem a sua particularidade, são seres únicos, com cadernetas específicas, que até podem estar repetidos, e, normalmente, gingam. Esta honestidade e clareza do cromo apresentam, em última instância, menos perigos para a comunidade do que a inutilidade e bondade intrínsecas do sonso do totó (então não é, !).

O mais certo é estar totalmente errada, mas esta a ideia que agora tenho desta gente: o meu voto vai, por isto, para os cromos. Basta de ter pena dos totós! Façam-se cromos, por Deus!


* as perguntas que constituiram o inquérito só serão reveladas caso haja interesse na divulgação das mesmas por parte de quem está agora a ler este estudo.
publicado pela batukada às 13:56
link | comentar
2 comentários:
De maria julia ramos a 17 de Maio de 2009
Acabei de ler o blog e estou interessada nos dados (perguntas, respostas) tudo o que diz respeito ao estudo que efectuou. O meu interesse é que estou a fazer uma investigação sobre o mesmo assunto. O interesse é trabalhar numa base de dados já feita.
De batukada a 19 de Maio de 2009
Cara maria julia ramos, não vejo problema algum em disponibilizar-lhe a base de dados já construída. Envie-me um mail, caso mantenha o interesse. Atenciosamente, batukada.

Comentar post

E-mail

batukada_ms@hotmail.com

Gira-discos 'sebem

Aprecie o silêncio

Arquivos

Maio 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

blogs SAPO