Sexta-feira, 16 de Janeiro de 2009

Pela manhã, sinto a vontade de cantar; acordo a voz, agarro a música no ar.

.

Mas em cada música não há magia, Dina. Por exemplo, a música que paira na situação "metropolitano". Realmente, a minha incursão por este meio de transporte tem, com efeito, aberto novos horizontes à minha vida. Nomeadamente o da confirmação de que este povo é estranho. Estranho. Eu acreditava em tudo o MEC dizia, e diz, de bom acerca dos tugas (aliás, palavra de MEC para mim é Palavra) – da gente, no fundo –, mas creio que não vai haver mais crónica nenhuma que me valha. Experimentem viajar de metro. Experimentem. Depois digam-me.

 

Ora, depois da saga dos velhos a cairem-me em cima (que culminou numa catarse trágica total, diga-se), chegou-me às mãos a saga dos que chegam à estação terminal a dormir e não acordam e que são ignorados por toda a gente menos por mim, caso contrário iam parar ao reino maquiavélico dos caboucos onde os metros vão descansar depois de fazerem a última estação. Aí, os adormecedores seriam, provavelmente, devorados pelas mães dos metros que ali estão à espera de seus filhos para lhes darem de comer, para os adormecerem e retirar os chapéus de chuva e os Destaks que lhes deixam dentro do estômago. 

 

O problema não são as pessoas que adormecem, coitadas, e que chegadas à estação terminal não acordam. O problema é, obviamente, o mundo, em geral,  e tudo, em concreto. Mentira, também não sou assim tão avessa a pessoas. Mas o problema é que ninguém –ninguém – nin-guém – à excepção, obviamente, desta excelentemente boa pessoa que agora vos escreve (e talvez de outras boas almas, como é o caso do leitor, claro, mas com quem ainda não tive o prazer de me cruzar), se digna a dar um toque que seja no braço do adormecido a fim de o acordar e de o ajudar a descer no destino certo. As pessoas ignoram o facto. Ignoram. Já tive, inclusivamente, de aplicar duas ténicas de acordanço em duas pessoas distintas. O que nos leva também à triste realidade de que: ninguém acorda da mesma maneira.

 

Pá, não se aguenta.

 

publicado pela batukada às 10:50
link
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

E-mail

batukada_ms@hotmail.com

Gira-discos 'sebem

Aprecie o silêncio

Arquivos

Maio 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

blogs SAPO