Terça-feira, 12 de Setembro de 2006

Saga Nem Só de Forró, Axé, Marias Ritas, Perlimpimpins e Sangalas Vive a Música Brasileira, Com a Gr

.
Teique um e meio – Sapatas de que até gosto

[Cena cinco – Cássia Eller: all the lonely people, where do they all come from?]

(Existe, entre nós, um instrumento musical muito curioso, extraordinariamente composto por uma espécie de lata de silicone ampla e cilíndrica, à qual está embutida uma extraordinária corda de alumínio, que fica, em relação à lata, de fora, como se de uma extraordinária cauda se tratasse, e que emite um som que faz lembrar aquela ventania que aparece extraordinariamente antes da trovoada. Gostava muito de saber o nome deste extraordinário instrumento. No outro dia, inclusivamente, estive com um nas mãos sem nunca o chamar de nada. Ora, não se admite. Por esta razão e como tal, chamar-lhe-emos, neste texto e excepcionalmente, de ringustá. Muito obrigada.)

Sábado passado, enquanto ouvia a extraordinária Marisa Monte no Coliseu, lembrei-me três extraordinárias vezes da Cássia Eller. Passei o resto do fim-de-semana a tentar justificar este extraordinário feito, até porque, vejamos: uma tem voz de estorninho do Cais do Sodré (aqueles do maradona) outra tem voz de búfalo do Botswana.

Está certo: a primeira tem a extraordinária beleza de um boi subnutrido, ainda que uma graciosidade de flamingo da baía do Seixal; e a segunda reveste-se de (que extraordinário fenómeno de metaforização este exemplificado por esta extraordinária sequência sintáctica do português) uma extraordinária beleza de um frankenstine da Suíça e da graciosidade de uma extraordinária pedra da calçada. Ambas são cantautoras (que extraordinário fenómeno morfológico exemplifica esta extraordinária unidade lexical do português) brasileiras, mas, enfim, existirão, provavelmente, mais de trezentas mil cantautoras (lindo, lindo) brasileiras, daquelas que, como estas, andam sempre, de forma extraordinariamente extraordinária, de um lado para o outro com todos aqueles instrumentos, do ringustá ao cavaquinho, passando pela gaita de beiços e viola-baixo, dando ainda uma perninha no reco-reco e no triângulo. Andam sempre naquela agitação do tira e põe, salta daqui para ali, manda a gaita para o chão, saca o ringustá e poisa-o em cima do violinista … cansativas, portanto, mas muito parecidas.

Ah, muito importante e além de que: uma está viva e a outra está morta. Não lembra ao diabo, portanto.

Bom, ainda que sem vislumbrar justificação possível para tal extraordinária lembrança e cuting the fucking crap, o facto é me lembrei da Cássia Eller porque a Cássia Eller é a última grande sapata desta grande saga que se reveste de (meu Deus, isto nunca terá fim), de facto, muita pertinência fisiológica. Seja o que Deus quiser, vamos a ela.

Da Cássia Eller nada sei. Nada sei ou quase nada, até porque não lhe conheço nenhum caso amoroso digno de revelação, nem nenhuma cusquice por aí além. A não ser que já não está entre nós. Crê-se que, provavelmente, por negligência médica. Diz-se por aí, que eu não sei de nada. Não sei nada da Cássia Eller, agora que analiso a coisa em profundidade. Então porquê incluí-la neste grande estudo comparativo de grande pertinência fisiológica?

Ora: a Cássia Eller não é a única a olhar o céu, mas quase: foi a única a conseguir fazer a melhor homenagem ao tema Eleanor Rigby. Sim, sim, sim, sim, sim. Fez a melhor – de longe! – versão deste grande grande grande sonoro. Só tenho muita pena de não ter um sítio na Internet onde possa alojar a música e pô-la a cantarolar ali no gira-discos sebem. Mas, contudo e não obstante, se alguém desejar possuir (de mais, esta unidade lexical utilizada neste contexto deveras) esta grande, extraordinária e única versão, faça o favor de ma pedir.

De maneiras que cá ando outra vez… e tal…
publicado pela batukada às 16:12
link do post | comentar

E-mail

batukada_ms@hotmail.com

Gira-discos 'sebem

Aprecie o silêncio

Arquivos

Maio 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

blogs SAPO