Terça-feira, 25 de Janeiro de 2005

Why can't we just look the other way?*

A minha aversão ao Carnaval tem uma única justificação: os fatos-macacos da Lisnave.



Quem porventura cresceu na margem sul sabe bem do que falo. Bem sei que o repugnante costume do lançamento em catadupa de balões de água e de ovos tamanho XL se generaliza por todo este nosso pequeno país, mas o fenómeno Fato-Macaco da Lisnave é, temos pena – eu tenho muita muita pena –, nosso. Uma coisa já de si má é a pessoa apanhar com o balão e com o ovo, desprevenida, sem saber a proveniência dos mesmos. Fica revoltada e ameaça chamar o pai, o irmão mais velho ou a polícia e tal, mas é coisa rápida. Outra coisa é saber o que a espera, saber tratar-se de um processo relativamente moroso e não poder fugir do azar: o fenómeno Fato-Macaco da Lisnave.



Fecho os olhos e reproduzo mentalmente o que isto significa: significa rapaziada de mau fundo a descer ruas abaixo, vestida com o fato-macaco da Lisnave (lá está) – do pai, ou tio, ou avô, whatever – de um azul-petróleo deslavadíssimo e cheio de nódoas. Vestem aquilo e munem-se, atenção, dos mais sórdidos adereços: duas almofadas que enfiavam, respectivamente, na parte de trás – no rabo – e na parte da frente – no abdómen, para dar volume à coisa; caraças que usavam com verrugas do tamanho de batatas, narizes redondos com narinas de diâmetros insuportáveis, dentes podres, cabelo oleoso etc.; e, muitas vezes, traziam paus nas mãos. Por dentro daquele imbróglio todo estariam os cinquenta balões e os noventa ovos que traziam sempre consigo.



O cenário era dantesco. Pior que dantesco, paulocoelhesco. Aquilo era o terror total. Aquilo quando uma pessoa os avistava, sentia-se mais angustiada do que em véspera de reunião de pais na escola secundária, já que acabava, contra vontade, de assinar a respectiva sentença de molha e de gemada. Imediatamente se começava a analisar o terreno à volta, com a esperança de se descobrir uma estrada, um beco com saída, um portão aberto ou qualquer coisa do género que nos tirasse, por via do sprint, do caminho daqueles p... dos fato-macaqueiros da Lisnave. Às vezes, calhava-nos a sorte; mas na maioria delas... Seja ceguinha se não me estou agora a arrepiar.



“O suplício acabará quando crescermos e comprarmos um carro, vais ver. Nunca mais me apanham, estes paneleiros.”, pensávamos nós na altura.





*da música «Evil», dos Interpol.
publicado pela batukada às 13:39
link do post | comentar

E-mail

batukada_ms@hotmail.com

Gira-discos 'sebem

Aprecie o silêncio

Arquivos

Maio 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

blogs SAPO