Quarta-feira, 20 de Junho de 2007

O meu único desejo para a edição de 2007 do Super Bock, Super Rock

.
Que a tipa dos Gossip não se dispa.
publicado pela batukada às 15:11
link do post | comentar
Terça-feira, 19 de Junho de 2007

Os Cypress Hill vêm ao Sudoeste Os Cypress Hill vêm ao Sudoeste Os Cypress Hill vêm ao Sudoeste Os C

Os Cypress Hill vêm ao Sudoeste Os Cypress Hill vêm ao Sudoeste Os Cypress Hill vêm ao Sudoeste Os Cypress Hill vêm ao Sudoeste Os Cypress Hill vêm ao Sudoeste Os Cypress Hill vêm ao Sudoeste Os Cypress Hill vêm ao Sudoeste Os Cypress Hill vêm ao Sudoeste Os Cypress Hill vêm ao Sudoeste Os Cypress Hill vêm ao Sudoeste Os Cypress Hill vêm ao Sudoeste Os Cypress Hill vêm ao Sudoeste Os Cypress Hill vêm ao Sudoeste Os Cypress Hill vêm ao Sudoeste Os Cypress Hill vêm ao Sudoeste Os Cypress Hill vêm ao Sudoeste Os Cypress Hill vêm ao Sudoeste Os Cypress Hill vêm ao Sudoeste Os Cypress Hill vêm ao Sudoeste etc...
publicado pela batukada às 19:26
link do post | comentar
Sábado, 9 de Junho de 2007

Os meus pais proibiam-me de ver telenovelas, mas deixavam-me ver a Quinta Dimensão

.
(Só consegui alguma clemência com o Roque Santeiro. Mas ainda hoje, já independente, se me escapa que vejo as Páginas da Vida e aquela da TVI que sucede nos Açores, sou imediatamente ostracizada, olhada de cima e ignorada, no fundo. Intelectuais, brrrrrrrr…)

De maneira que ganhei com esta brincadeira do turururu-turururu um medo da morte que me pelo. Não da minha, mas da dos outros, os que me importam. Desde que a minha não seja uma coisa do género acordar, de repente, num caixão a sufocar com falta de ar porque ninguém me ouve a gritar sete palmos abaixo de terra para sair dali e que só aconteça lá para quando eu tiver duzentos anos, tudo bem. Agora a dos outros não pode simplesmente acontecer (os ateus não lidam muito bem com esta parte da vida, digamos).

Bom, na tentativa de resolver este meu problema, pus-me a ler uma merda de livro, que não consigo largar. Chama-se o Ano do Pensamento Mágico, da jornalista norte-americana Joan Didion, que me foi aconselhado pela Maria João Seixas. Neste livro, Didion exorciza tudo aquilo que sentiu por ocasião da morte do marido (que morreu enquanto jantavam; caiu para trás e zás – no more mister nice husband) e nos tempos que se seguiram a esta desgraça. Descreve pensamentos, bandas sonoras que lhe enchiam os pensamentos, perdas de memória, coisas tristes etc. Conta-nos o exercício que fez para conseguir continuar a respirar e a viver e assim, bem como o exercício para coordenar esta perda horrível com a enfermidade da filha única, às portas da morte (ainda não sei se esta morre ou não). Meti-me num grande imbróglio, como se vê. Calco uma passagem, só para se ter a noção:

“(…) «Tiveste razão quanto ao Havai», disse ele então. Acho que queria dizer que eu tinha razão quando um ou dois dias antes disse que quando Quintana melhorasse (era o nosso código para «se ela viver») podíamos arrendar uma casa na praia de Kailua onde ela podia recuperar. Ou talvez quisesse dizer que eu tinha razão quando, na década de setenta, quis comprar uma casa em Honolulu. Na altura, preferi pensar na primeira hipótese, mas o pretérito da forma verbal sugeria a segunda. Disse estas coisas no táxi entre o Beth Israel North e o nosso apartamento, ou três horas antes de morrer, ou vinte e sete horas antes de morrer, tento recordar-me e não consigo.” (p. 87)

Praise our fucking lord, sem dúvida. Mas a verdade é que tenho necessidade de saber se, por um lado, esta mulher me consegue explicar que é, de facto, possível continuar depois de parte de nós morrer e, por outro lado, se devo continuar a confiar na Maria João Seixas. Vou ter de ir com isto até ao fim. Darei novidades sobre este assunto mais para o fim da semana. Que vem.
publicado pela batukada às 21:52
link do post | comentar
Terça-feira, 5 de Junho de 2007

Vão-se as olaias, ficam-se os jacarandás*

.
Acrescento à minha lista de excel mais um motivo para ficar a viver na cidade: a flora. E, meus amigos, estou em crer que ver Lisboa a despedir-se do rosa mais chock que vi na vida abrindo alas a um lilás valha-me Deus é um espectáculo compensador de qualquer excesso de fumo de escape que possa, eventualmente, ter inalado por aí.







*e, em alguns spots marados, as grevíleas.
publicado pela batukada às 10:44
link do post | comentar

E-mail

batukada_ms@hotmail.com

Gira-discos 'sebem

Aprecie o silêncio

Arquivos

Maio 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

blogs SAPO