Quinta-feira, 31 de Maio de 2007

Textos que daríamos a ler a William Shatner 11*

.
My phone's on vibrate for you: electroclash is karaoke too. I tried to dance Britney Spears; I guess I'm getting on in years. My phone's on vibrate for you, God knows what all these new drugs do. I guess to have no more fears, but still I always end up in tears. My phone's on vibrate for you, querido. But still I never ever feel from you. Pinocchio's now a boy who wants to turn back into a toy.

So call me, vá. Call me the morning, call me in the night. So call me: call me anytime you like. My phone's on vibrate... for you. For you...





*Já lá vai o tempo em que este grande primeiro movimento interbloguístico organizado de que há memória vivia. Morreu, é certo, mas é sempre bom recordar que foi, precisamente, num dia de sol, à tardinha, que três amigos do peito – Maria das Flores, Le Fante e a minha pessoa – anuiram que a sobrevalorização cega de questões como o Jack Johnson, a Scarlett Johansson, o João Pereira, os Keane, os anos oitenta, a Diane Krall, o pudinzinho flã caseiro, o Sun Ra, o ruibarbo (referência britânica), o Glenn Miller, os Arctic Monkeys, a Dra. Uhlenbroek (referência britânica) e o Nuno Galopim não mais faziam sentido. Estes amigos demonstaram por A + B que a haver alguém a ser sobrevalorizado, esse alguém teria de ser o magnânimo William Shatner. We love you, Sir Shatner!
publicado pela batukada às 10:47
link do post | comentar
Terça-feira, 29 de Maio de 2007

I heard there was a secret chord

.
Neste dia há dez anos, morria afogado Jeff Buckley, nascendo o mito Jeff Buckley. Como tive oportunidade de referir há uns posts atrás, foi há pouco tempo que comecei a ouvir com ouvidos de gostar o homem. O responsável por tal facto é também uma pessoa de seu nome Rufus Wainwright, de quem sou fã. Foi há cerca de dois anos que fui ver (devido à amabilidade de uma amiga) o Rufinho à Aula Magna. Foi um concerto que me ficou no coração: o Rufus é o verdadeiro artista, muito bom, só nos dá muito boa música, é óptimo anfitrião, além de ser um excelente tocador de piano. E a voz e as letras e tudo. Bom, nesse concerto, o Rufus começa, a determinada altura, a falar da paixão assolapada que teve pelo Jeff Buckley e do amor incondicional que ainda sentia pelo homem, focando aspectos da sua beleza física (que, segundo o Rufus, são bastantes) e beleza musical. Foi aí que eu soube que a versão de Hallelujah do Cohen que o Rufus incluiu no seu primeiro álbum era, na verdade, uma versão da versão de Jeff Buckley. O Rufus cantou o Hallelujah e o público emocionou-se.

Ei-la (com tradução para espanhol e tudo):



Neste dia, mais do que long live Jeff Buckley (coitado, já nem pode), sem dúvida um we love you, Rufinho. Very much.
publicado pela batukada às 11:11
link do post | comentar
Sábado, 26 de Maio de 2007

Ode ao Poceirão

.


pelos Arcade Fire.
publicado pela batukada às 15:24
link do post | comentar
Sexta-feira, 25 de Maio de 2007

Possível início do conto de terror com que vou participar no concurso já citado dois posts abaixo

.
(baseado em factos reais ocorridos nesta primeira pessoa. ah, e, por favor, nada de plagiar. concorram com as vossas próprias ferramentas.)

«Todos os dias àquela hora, o Sol voava baixinho. Andreia começou a reparar em tal facto no dia em que o seu pai fez 56 anos. Decidiu oferecer-lhe, por essa ocasião, um CD com sucessos de rock contemporâneo cantados em gregoriano. Entre outras, constava daquele disco – era assim que o pai chamava ao CD – a versão gregoriana de Hurt, canção dos Nine Inch Nails.»

Brrrr... credo...
publicado pela batukada às 00:37
link do post | comentar
Quinta-feira, 24 de Maio de 2007

God bless Johnny

.
Há cinco coisas que gostaria de referir relativamente ao novo álbum dos Da Weasel, que ainda não comprei. Primeira, sempre: Margem Sul Power. Segunda: o cabelo do Virgul não está nada bem. Terceira: a capa do álbum é de muito bom gosto. Quarta: o título, Amor, Escárnio e Maldizer, é bastante mau (por acusar claramente o tom prosaico que não quer ter, mas que tem), mas podia ser horroroso; faz-me lembrar, digamos, o único 10 (dez) que tive na faculdade. Quinta: tenho muitas saudades do tempo do God Bless Johnny, em que o som saía cru, lá mesmo do fundinho do pseudo-gueto. Nesse tempo, início dos noventa, nenhuma das minhas amigas estava para parir ou para entrar na casa dos trinta ou ainda as duas coisas ao mesmo tempo.
publicado pela batukada às 23:26
link do post | comentar

Edgar no Inferno

.



"Como todos sabemos, é sempre libertador, e até interessante de um ponto de vista psicanalítico, mandar as personagens para sítios onde elas não podem contactar directamente com o exterior."

Basturlec, 2007.


Eu vou participar neste extraordinário concurso de contos de terror. E praticamente toda a gente que eu conheço também. Comprei um baton rouge para o efeito e tudo. Vá, faz-te à estrada. Escrita fina, men! WUAhahahUWhahah!
publicado pela batukada às 23:07
link do post | comentar
Quinta-feira, 10 de Maio de 2007

Sarabanda

.
Sou leitora d'As Aranhas, como se pode comprovar pela lista de links que tenho aqui neste blogue. Há realmente vezes em que concordo com o que se escreve n'As Aranhas, mas nunca como hoje foram tão minhas as palavras que lá estão. Não fosse já existir, este texto seria precisamente aquilo que eu escreveria algures. À excepção de «Não é que me incomode especialmente passar à posteridade como "bjorkófobo" (e já nem me lembrava que tinha escrito isso). Mas acho que devia pôr os pontos nalguns "iii" (os outros podem ficar como estão)» (nunca diria uma coisa destas, nem em pensamento), «É assim:» (esta então... por amor de deus, nem em sonhos horríveis como os de ontem) e «Eu nem sei como é a cara do tipo dos National» (com muita pena minha, pois é uma excelente frase), tudo aquilo é uma questão absolutamente minha. Tenho testemunhas.
publicado pela batukada às 11:23
link do post | comentar
Quarta-feira, 9 de Maio de 2007

...

.
A noite passada sonhei que vinha aqui a este blogue para escrever um granda post, e não me lembrava nem do username, nem da password para cá entrar. Que horror...
publicado pela batukada às 19:17
link do post | comentar

E-mail

batukada_ms@hotmail.com

Gira-discos 'sebem

Aprecie o silêncio

Arquivos

Maio 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

blogs SAPO