Domingo, 30 de Outubro de 2005

A minha iPod

.
O meu iPod é fémeo.
publicado pela batukada às 22:07
link do post | comentar

Gripe das Aves II

.
publicado pela batukada às 21:45
link do post | comentar
Sexta-feira, 28 de Outubro de 2005

Gripe das Aves I

.
Além do benefício da dúvida, outra péssima invenção do homem foi a expectativa. A expectativa destrói amizades, paixões, namoros, noivados, casamentos, empregos, aquisições quase certas de produtos de supermercado e vestuário, aquisições quase certas de carros, de casas… enfim, é uma destruidora nata. Destrói, inclusivamente, filmes. Bons filmes. Muito bons filmes, como é o caso do Last Days, do meu querido Gus Van Sant. Provavelmente, o melhor filme deste ano. A expectativa, essa, só não destrói é a maldita Gripe das Aves. Red Alert, óbvio.

Bom, mas Gus Van Sant, mesmo sabendo estar rodeado de expectantes, decide realizar um maravilhoso exercício estético cuja inspiração seria os últimos dias do Kurt Cobain. Arrojado, o senhor. E acho muito bem. Resultado inequivocamente esperado: malta descontente a torto e a direito, porque ficou sem saber tanta coisa da vida do homem, que até queria saber, porque foi um ícone, e os ícones não sei quê, tem de se saber o que é que os ícones fizeram e tal, porque é mesmo assim. E os planos, ai os planos, meu deus os planos…ai, que horror. Acontece que o filme não era sobre o Kurt Cobain e não há nada melhor que, numa segunda-feira à noite, ir levar com os planos, as construções, as sequências, as técnicas, a beleza e a tranquilidade interior proporcionados pelo Gus Van Sant, perdoem-me. O filme era sobre uma quantidade de coisas que o Kurt Cobain bem poderia, e pôde, representar. Tinha lá o homem, sim senhor, e quanto a isto não há nada a fazer, mas não o é o busílis, a meu ver.

A meu ver, o busílis é aquela cena em que a personagem principal desfalece em câmara lenta ao ouvir e ver os Boyz II Men na televisão, são as cenas em a personagem principal grunhe e é a cena em que vemos a alma nua da personagem principal subir escadote acima – um final poético que ficará associado ao indivíduo menos poético do século XX: Kurt Cobain. Não vejo nada de mal nem de mau neste filme. Nada mesmo.

Nota máxima para estes Last Days. Era isto que tinha para desabafar. Agora vou ao Cais do Sodré ver os estorninhos.
publicado pela batukada às 17:30
link do post | comentar
Quarta-feira, 26 de Outubro de 2005

Gripe das Aves

Uma longa série a ser desenvolvida brevemente neste lugar sempre tão perto de si. Ele está perto de si, mas si está bem longe dele. O que, não obstante, pode ser bom.
publicado pela batukada às 17:12
link do post | comentar
Sexta-feira, 21 de Outubro de 2005

Pure morning

Image hosted by Photobucket.com
publicado pela batukada às 15:41
link do post | comentar
Quinta-feira, 20 de Outubro de 2005

Last Days I

.


Obrigada, Kurt Cobain, pelos Foo Fighters.
publicado pela batukada às 11:01
link do post | comentar
Terça-feira, 18 de Outubro de 2005

O amor

Se é assim, então, vamos !
publicado pela batukada às 15:27
link do post | comentar

Nosomelomanismo agudo

.
Houve um dia em que, no meio de lamentações hipocondríacas (a propósito desta observação - ainda bem que a fiz -, ando com uma dor na clavícula insuportável. É uma dor fortezinha, que parece que atravessa o osso e a carne, e dá-me a sensação que chega mesmo ao plumão esquerdo, agravando-se cada vez que ponho o cinto de segurança. Sinto. Tudo me leva a crer que estes sintomas nada mais são do que, meu Deus, meu Deus, indícios de um possível início, dentro deste corpo que agora vos escreve, de gripe das av... Não pode ser! Não posso fazer parte dos tais 12 mil que estão para morrer disto neste país. Que horror, que horror...), decidi que ia ser uma calculista mental. Mas, entretanto, veio a música.

E a música que toca ali ao lado, não parecendo, foi a que deu o nome a este antro pecaminoso, tem piada.

Afinal, it's all about music, e pouco mais. Quase nada mais.
publicado pela batukada às 14:24
link do post | comentar

E, ao quinto dia, acordei

com a sensação de que me estava a esquecer de alguma coisa.



Fui ver, era os bilhetes para os Depeche Mode.
publicado pela batukada às 14:09
link do post | comentar
Sexta-feira, 14 de Outubro de 2005

Tenho três horas de sono em cima

E espero, com esta, ter esgotado o plafond de intimismos femininos reservado a este blogue.

Agora vou dormir.

olha, -1 intimismo feminino...
publicado pela batukada às 21:18
link do post | comentar
Terça-feira, 11 de Outubro de 2005

Toda a verdade sobre o Antony and the Johnsons

Afinal gosto.
publicado pela batukada às 22:41
link do post | comentar
Segunda-feira, 10 de Outubro de 2005

Textos que daríamos a ler a William Shatner 5*

.
Ele há um sítio entre a estrada e o mar que fica de fora para quem lá quer entrar. Tem uma porta escondida pelo azar, que só se abre para quem lá que entrar. Às tantas, pensas que é tudo a brincar. É todo o espaço que cresce com o teu ser; é o tempo que se dobra ao passar. Será real tudo o que estás a ver?

Já vi as torres da Cinciberlândia, são sete torres a riscar o céu. Já vi as torres da Cinciberlândia, com os olhos que Deus me deu.

Sete e tão altas que devem ultrapassar o fim do mundo; até o fim do ar. Ninguém lá mora, só servem para brilhar para quem as vê, para quem lá quer chegar. Já lá voltei, Procurei o lugar. Não o achei, cansei-me de andar. Já era tarde, não ia mais voltar àquele sítio entre a estrada e o mar.

Já vi as torres da Cinciberlândia, são sete torres a riscar o céu. Já vi as torres da Cinciberlândia, com os olhos... Com os olhos que Deus me deu.



O primeiro movimento interbloguístico organizado de que há memória com o sensacional objectivo de destruir o movimento que sobrevaloriza denominadores como o Jack Johnson (não é o antony, tadinho, mas já lá irei), a Scarlett Johansson, os Arcade Fire, o Carlitos, os Keane, o João Pereira, os anos oitenta, a Diane Krall, o Chomsky (vá, para a próxima tiramos este), o pudinzinho flã caseiro, o Sun Ra, o ruibarbo (referência britânica), o Glenn Miller, o Pedro Emanuel, a Dra. Uhlenbroek (referência britânica) e o Nuno Galopim, continua. Três amigos um dia sentam-se à mesa e, de forma organizada, fazem nascer o mote que, a partir de então, os conduz por este passeio calcetado que é a vida: a haver alguém a ser sobrevalorizado, será, e desenganem-se de uma vez por todas, o fundamental William Shatner.

Long live Dom Shatner!



Quero ainda agradecer os preciosos contributos da Minhoca e do Comboio Azul (o Glenn Miller até está lá bem). Mando daqui, igualmente, um forte "Junta-te a nós, Nuno!" ao Nuno Miguel Guedes. Se não for pedir muito, quero também mandar daqui um valente "Pronto, não podem ver um projecto 100% original que ficam logo todos aflitinhos" ao Lopo. Enfim, hoje somos quase poucos amanhã seremos mais que muitos.

publicado pela batukada às 14:30
link do post | comentar

E-mail

batukada_ms@hotmail.com

Gira-discos 'sebem

Aprecie o silêncio

Arquivos

Maio 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

blogs SAPO