Segunda-feira, 31 de Janeiro de 2005

Espera aí uma coisa

Free Michael, the lord of carapinha, sim senhor. Mas o pedófilo que vá dentro e que seja sodomizado à bruta® três a quatro vezes por dia, todos os dias de sua existência, até que a morte o esconjure. Ámen.
publicado pela batukada às 14:25
link do post | comentar
Sexta-feira, 28 de Janeiro de 2005

Vote em branco nas próximas eleições





Porque hoje é sexta-feira...
publicado pela batukada às 14:24
link do post | comentar

Let there be a light (V)

Tenho para mim que a única pena a valer é a de acordar mais cedo amanhã para mergulhar, com muito amor e amoras silvestres, nas nossas cozinhas, preparar o doce repasto que a minha querida bolacha maria, amavel e sugestivamente, reparte connosco e comê-lo ao almoço. Com sorte, e reforçando bem as doses, ainda nos sobra para o jantar. Aqui está o imperdível cheesecake. You've made my day, sweetheart!
publicado pela batukada às 13:24
link do post | comentar

Ode ao juro que era mesmo isto que eu queria escrever

"O Sporting perdeu porque não teve sorte e porque o Tiago é um pateiro como nem numa pataria se encontra: o terceiro golo do Simão é insofrível até pelo Carlos Castro e o Tiago merecia ser largado no triângulo Sunita mascarado de Capitão América. O Benfica é uma equipa absolutamente mediocre que vive da ideia (falsa) de que tem melhores jogadores que o Rio Ave. O Benfica é a epítome do clube que vive de uma imagem e da imagem que os outros têm dele. Ver a maneira como o Pedro Barbosa, o Hugo Viana e o Rochembach tocam na bola e a trocam entre si e os companheiros [por mais mediocres (Tello) ou burros (Paíto) que sejam] é o único elemento de qualidade que resta no actual futebol Português.". In Ele é que a sabe bem, caraças.

publicado pela batukada às 11:39
link do post | comentar
Quinta-feira, 27 de Janeiro de 2005

Aconteceu

publicado pela batukada às 21:18
link do post | comentar
Quarta-feira, 26 de Janeiro de 2005

Cá está, cá está. Isto ajuda muito. Portanto, cuide da sua saúde já a partir de hoje.

«Aproveite bem o seu tempo



Reduza os níveis da sua tensão aprendendo a orientar o seu tempo.

. Liste as suas tarefas diárias.

. Transfira para amanhã as prioridades de hoje incompletas.

. Divida os grandes projectos em fracções mais cómodas.

. Não omita nada desnecessariamente.

. Encare os projectos difíceis como um desafio e alegre-se com o seu êxito.»





Da saudosa colecção 101 Sugestões: "Vida Saudável"
publicado pela batukada às 17:00
link do post | comentar

I wanna reach out and emigrate, where the streets have no name*



Catalunya 1922, Antoni Tàpies**





*Letra que não deixa de ser uma adaptação de uma música dos U2. Os U2 vêm cá em Agosto. Mas acontece que têm o descaramento de pedir mais dinheiro pelos bilhetes que a Madonna. Chupistas***.



**Génio.



***Sketches, meus amigos... sketches dos malandrões-maravilha...







publicado pela batukada às 15:48
link do post | comentar
Terça-feira, 25 de Janeiro de 2005

Why can't we just look the other way?*

A minha aversão ao Carnaval tem uma única justificação: os fatos-macacos da Lisnave.



Quem porventura cresceu na margem sul sabe bem do que falo. Bem sei que o repugnante costume do lançamento em catadupa de balões de água e de ovos tamanho XL se generaliza por todo este nosso pequeno país, mas o fenómeno Fato-Macaco da Lisnave é, temos pena – eu tenho muita muita pena –, nosso. Uma coisa já de si má é a pessoa apanhar com o balão e com o ovo, desprevenida, sem saber a proveniência dos mesmos. Fica revoltada e ameaça chamar o pai, o irmão mais velho ou a polícia e tal, mas é coisa rápida. Outra coisa é saber o que a espera, saber tratar-se de um processo relativamente moroso e não poder fugir do azar: o fenómeno Fato-Macaco da Lisnave.



Fecho os olhos e reproduzo mentalmente o que isto significa: significa rapaziada de mau fundo a descer ruas abaixo, vestida com o fato-macaco da Lisnave (lá está) – do pai, ou tio, ou avô, whatever – de um azul-petróleo deslavadíssimo e cheio de nódoas. Vestem aquilo e munem-se, atenção, dos mais sórdidos adereços: duas almofadas que enfiavam, respectivamente, na parte de trás – no rabo – e na parte da frente – no abdómen, para dar volume à coisa; caraças que usavam com verrugas do tamanho de batatas, narizes redondos com narinas de diâmetros insuportáveis, dentes podres, cabelo oleoso etc.; e, muitas vezes, traziam paus nas mãos. Por dentro daquele imbróglio todo estariam os cinquenta balões e os noventa ovos que traziam sempre consigo.



O cenário era dantesco. Pior que dantesco, paulocoelhesco. Aquilo era o terror total. Aquilo quando uma pessoa os avistava, sentia-se mais angustiada do que em véspera de reunião de pais na escola secundária, já que acabava, contra vontade, de assinar a respectiva sentença de molha e de gemada. Imediatamente se começava a analisar o terreno à volta, com a esperança de se descobrir uma estrada, um beco com saída, um portão aberto ou qualquer coisa do género que nos tirasse, por via do sprint, do caminho daqueles p... dos fato-macaqueiros da Lisnave. Às vezes, calhava-nos a sorte; mas na maioria delas... Seja ceguinha se não me estou agora a arrepiar.



“O suplício acabará quando crescermos e comprarmos um carro, vais ver. Nunca mais me apanham, estes paneleiros.”, pensávamos nós na altura.





*da música «Evil», dos Interpol.
publicado pela batukada às 13:39
link do post | comentar
Segunda-feira, 24 de Janeiro de 2005

...

Contudo, a pergunta que se impõe é a seguinte: onde andas? Fazes falta, não percebes? Ai, ai, ai.
publicado pela batukada às 11:48
link do post | comentar

Esqueci-me de não deixar passar esta:

o Brad Pitt está solteiro outra vez. Olaré piu piu.
publicado pela batukada às 11:44
link do post | comentar
Domingo, 23 de Janeiro de 2005

...



publicado pela batukada às 22:45
link do post | comentar

Não quero deixar passar

...sem dizer que concordo absolutamente com o elefante, alertando, ao mesmo tempo, para o facto de o Nuno Galopim ser o mesmo espécime que disse maravilhas do concerto do Jay-Gay Johanson, no passado mês de Dezembro na coitada – pelo menos durante aquele tempo – Aula Magna. O que minimiza a tragédia. Já dizia o outro: quanto mais um se acredita, mais pena para o mundo se incita.


Não quero deixar passar, igualmente, sem referir o facto de o melhor concerto de 2004 (este é que foi, pás, não me lixem) ter sido o dos N*E*R*D, na décima edição do Festival Super Bock Super Rock. Malta sebem, sempre a sentir o flow, bons compositores, malta criativa, gente de bom fundo, com boas intenções.


Passarei, não passarei, passarei, não passarei, mas fica a menção a um programa extraordinário do People and Arts, no qual um grupo de gente bem intencionada, criativa, sempre a sentir o flow, sebem muda a decoração de determinada divisão da casa de determinada pessoa à revelia da mesma. A pessoa, americana ou canadiana, chega de um fim-de-semana não sei onde, entra em casa, quase morre do coração por ver câmaras e gente estranha no ninho e... trau: quarto retro-chique; zás: casa de banho vintage; catrapuznóscego: sala de estar seventies; tomaláenãodigasquevaisdaqui: jardim indonésio. Aquilo foi tudo arranjado pelo malvadão do consorte, ou pela malvada prima ou pela vizinha do lado matreira; tudo pelas costas. Um primor.


Entretanto, o sporting ganhou.


Saltamos, pois, de imediato, para o facto extraordinário, que deve ser enaltecido, de seu nome Mudança de Cara da Manteiga Primor. A manteiga Primor acompanhou, por certo, a maioria de nós. A maioria que ainda teve nos respectivos frigoríficos a malograda manteigueira. Agora, a barra amarela deixa de ser barra e de estar revestida por um pálido branco de papel, e passa a caber, oblongamente, numa embalagem de plástico, cor azul-marinho. Seja cega se não é azul-marinho.
publicado pela batukada às 20:54
link do post | comentar
Segunda-feira, 17 de Janeiro de 2005

Vejo que ainda ninguém se apercebeu

Mas eu alerto-vos, para que não vos apanhe desprevenidos: está aqui está aí o car-*argh*-naval. Lamento, mas é a verdade.
publicado pela batukada às 17:58
link do post | comentar
Sexta-feira, 14 de Janeiro de 2005

...

.

Nada mudará o nosso mundo


Words are flowing out like endless rain into a paper cup

They slither while they pass,

They slip away across the universe

Pools of sorrow, waves of joy are drifting through my open mind,

Possessing and caressing me



Jai guru deva om

Nothing’s gonna change my world

Nothing’s gonna change my world



Images of broken light which dance before me like a million eyes,

That call me on and on across the universe

Thoughts meander like a restless wind inside a letter box

They stumble blindly as they make their way

Across the universe



Jai guru deva om

Nothing’s gonna change my world

Nothing’s gonna change my world



Sounds of laughter shades of earth are ringing

Through my open mind inciting and inviting me

Limitless undying love which shines around me like a

Million suns, it calls me on and on

Across the universe



Jai guru deva om

Nothing’s gonna change my world

Nothing’s gonna change my world








Across the universe, The Beatles



publicado pela batukada às 21:38
link do post | comentar
Quinta-feira, 13 de Janeiro de 2005

...

Irmandade em geral, quatro palavras, duas conjunções copulativas e uma preposição: trinta e oito e meio de febre.









Advertência adicional: anda por aí de corpinho bem feito, anda. Depois diz que sim... Olha, eu ando a gramar com episódios repetidos do Chicago Hope já há faz amanhã três dias.
publicado pela batukada às 21:24
link do post | comentar
Sábado, 8 de Janeiro de 2005

A angústia, não parecendo, também passa um bocado por aqui – Ode às desculpas esfarrapadas para aqui





Que forma física invejável, bananaman. E que cores, e que cores.

publicado pela batukada às 11:22
link do post | comentar
Quinta-feira, 6 de Janeiro de 2005

Sweet, sweet, sweet*

sweet little agony

I don't know just where you've been

But I'll take take take

All that you have for me

In sin



Where are we going?



And they all want you to change

And they all want you to change



And the sad sad sad

All the sad faces drown

In this town

Where are we going?



And they all want you to change

Where are we going?

And they all want you to change

Where are we going?


Declaro aberta a semana da angústia neste blogue.


Este blogue, no fundo, tem-se lembrado, de forma recorrente e de há uns tempos para cá, de certo filme - ou talvez episódio do Twiligh Zone, não sei precisar - em que uma senhora encontrou algures um... não sei explicar como deve de ser. Era um artefacto que a senhora punha ao pescoço e que lhe dava, automaticamente, um poder fabuloso: quando a senhora dizia "stop" (falava inglês), o tempo parava; o mundo parava. Ficava ela sozinha, circundada por um mundo de estaticidade, livre para fazer o que quisesse, sem que ninguém se mexesse, sem que um segundo só avançasse no tempo. Uma coisa extraordinária. Por exemplo, uma vez ela estava no supermercado, nas prateleiras dos cereais ou dos detergentes, estou perdida neste ponto, e agarrou-se a uma embalagem. Conforme ela se agarra, vem outra por trás e agarra-se à mesma embalagem. Vai daí, a poderosa (epitetemo-la assim) pede-lhe, com delicadeza e alguma comiseração à mistura, que lhe devolva a embalagem, resposta que a outra não adjudica. Não só não adjudica, como ainda se torna agressiva e mal-educadona, a coitadinha. A poderosa não faz mais nada, como se imagina. Diz apenas "stop", e a outra, bem como todos os transeuntes e afins ficam estagnadíssimos. A poderosa agarra e vai-se embora. Sem pagar e tudo, a espertalhona. Tudo ali estático... Até os pássaros ficavam estáticos. Ai, ficavam estáticos, mas não sabiam! Não: eles ficavam congelados, digamos, naquele momento em que a poderosa dizia "stop". Nem sequer se apercebiam de nada, o que era maravilhoso. Para tudo voltar ao normal, a poderosa teria de dizer qualquer coisa, de cujo conteúdo também não me lembro. Começava tudo do ponto em que estava, à hora que estava, no sítio onde estava.


E porque é que este blogue se tem lembrado recorrentemente disto? Não o blogue em si, mas eu. Eu. Eu, assim é que é. Porque é que me tenho lembrado recorrentemente disto? Porque é mesmo do artefacto da poderosa que estou a precisar, óbvio. Três mesinhos de stop e não se falava mais nisto.






*Música dos Smashing Pumpkins.
publicado pela batukada às 11:06
link do post | comentar

E a semana do amor?



Pois é. A semana do amor correu bem, obrigada. Cheia de amor e love, felizmente. Contudo, forças maiores dizem que terá de ser restituída. Terá, terá.
publicado pela batukada às 11:00
link do post | comentar

E-mail

batukada_ms@hotmail.com

Gira-discos 'sebem

Aprecie o silêncio

Arquivos

Maio 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

blogs SAPO