Sexta-feira, 28 de Outubro de 2005

Gripe das Aves I

.
Além do benefício da dúvida, outra péssima invenção do homem foi a expectativa. A expectativa destrói amizades, paixões, namoros, noivados, casamentos, empregos, aquisições quase certas de produtos de supermercado e vestuário, aquisições quase certas de carros, de casas… enfim, é uma destruidora nata. Destrói, inclusivamente, filmes. Bons filmes. Muito bons filmes, como é o caso do Last Days, do meu querido Gus Van Sant. Provavelmente, o melhor filme deste ano. A expectativa, essa, só não destrói é a maldita Gripe das Aves. Red Alert, óbvio.

Bom, mas Gus Van Sant, mesmo sabendo estar rodeado de expectantes, decide realizar um maravilhoso exercício estético cuja inspiração seria os últimos dias do Kurt Cobain. Arrojado, o senhor. E acho muito bem. Resultado inequivocamente esperado: malta descontente a torto e a direito, porque ficou sem saber tanta coisa da vida do homem, que até queria saber, porque foi um ícone, e os ícones não sei quê, tem de se saber o que é que os ícones fizeram e tal, porque é mesmo assim. E os planos, ai os planos, meu deus os planos…ai, que horror. Acontece que o filme não era sobre o Kurt Cobain e não há nada melhor que, numa segunda-feira à noite, ir levar com os planos, as construções, as sequências, as técnicas, a beleza e a tranquilidade interior proporcionados pelo Gus Van Sant, perdoem-me. O filme era sobre uma quantidade de coisas que o Kurt Cobain bem poderia, e pôde, representar. Tinha lá o homem, sim senhor, e quanto a isto não há nada a fazer, mas não o é o busílis, a meu ver.

A meu ver, o busílis é aquela cena em que a personagem principal desfalece em câmara lenta ao ouvir e ver os Boyz II Men na televisão, são as cenas em a personagem principal grunhe e é a cena em que vemos a alma nua da personagem principal subir escadote acima – um final poético que ficará associado ao indivíduo menos poético do século XX: Kurt Cobain. Não vejo nada de mal nem de mau neste filme. Nada mesmo.

Nota máxima para estes Last Days. Era isto que tinha para desabafar. Agora vou ao Cais do Sodré ver os estorninhos.
publicado pela batukada às 17:30
link do post | comentar

E-mail

batukada_ms@hotmail.com

Gira-discos 'sebem

Aprecie o silêncio

Arquivos

Maio 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

blogs SAPO